quinta-feira, fevereiro 08, 2007

Um golo de SONHO!

Aceitando o desafio do JRP do Comboio Azul, fica aqui a descrição do sonho do meu primeiro golo com a mítica camisola azul e branca:

Última jornada do campeonato… no Estádio das Antas, F.C.Porto e Benfica discutem a vitória na prova até aos últimos instantes. O empate basta aos vermelhos… só a vitória interessa ao Porto. Depois de 85 minutos de futebol intenso e vibrante… o jogo caminha célere para o fim com um teimoso nulo no marcador. 90 mil incansáveis e indefectíveis portistas teimam em motivar a equipa com os seus apelos de vitória mesmo debaixo de um temporal arrasador… mas aos poucos a descrença vai tomando conta dos jogadores azuis e brancos. Artur Jorge, está de pé… pela primeira, e única, vez na vida grita para dentro do campo... mas as forças escasseiam. O Rei Artur olha para o banco e consegue pressentir a derrota nos olhos de quem nada pode fazer senão chorar. Urge fazer algo… Eriksson vai colocar mais um defesa. O treinador do Porto faz um sinal para os jogadores em exercício de aquecimento. Um burburinho ecoa pelo estádio que vai aumentando à medida que o escolhido vai correndo para o banco. Os adeptos movimentam-se curiosos e a incredulidade instala-se no estádio.
- Quem é aquele gajo?
- É um júnior.
- Júnior??? Foda-se… o treinador enlouquecer, era mesmo só o que nos faltava!
A placa com o número 3 é levantada, seguida de outra com o número 13.
Chegam os dedos das mãos para contar os adeptos que sabem o nome do jogador número 13. Na instalação sonora do estádio, ouve-se:
- Substituição no F.C.Porto com o patrocínio das Tintas Barbot: Sai com o número 3, Inácio… para entrada do número 13…
Um silêncio ensurdecedor estarrece o estádio, enquanto a voz procura nas suas notas o nome do jogador com o número 13 cosido nas costas:
- … para a entrada do número 13… Aníbal Letra!
Ao passar por Aníbal, Inácio cumprimenta-o e diz-lhe:
- Diverte-te… Puto!

Aníbal entra nas 4 linhas e não sabe se o que lhe escorre pela face são gotas de chuva ou lágrimas de felicidade. Levanta a cabeça e vê-se rodeado por personagens que o fitam incrédulos. Alguém o puxa… Gomes, o Capitão está à sua frente… o ídolo e mestre, despenteado e completamente encharcado, diz-lhe aos berros:
- Joga simples, caralho!

Sem bola, Aníbal não sabe para onde correr… parece que está sempre a mais. Vai colocar-se atrás de Gomes… mas o seu nervosismo não lhe permite sequer tocar no esférico.
Olha para o banco do Benfica e Eriksson avisa aos jogadores que já passa da hora. De repente, algo muda: Os 90 mil portistas, praticamente derrotados… a verem o título fugir para o eterno rival não desistem e gritam em uníssono:
- POR-TO! POR-TO! POR-TO! POR-TO!

Lima Pereira manda uma charutada da defesa… que vai exactamente na direcção de Aníbal Letra. Ele mata a bola no peito e cola-a no chão… rodopia e vê-se de frente com Carlos Manuel. Simula uma finta mas dá a bola a Gomes que de primeira devolve a Aníbal… um espaço vazio pode ser aproveitado. Arriscar ou jogar pela certa? Não é altura para vacilar… Aníbal fura e ultrapassa em velocidade Carlos Manuel. Gomes já está mais à frente a pedir a bola vigiado de perto por Ricardo Gomes… Jaime Magalhães corre pela direita levando Álvaro com ele, Futre do lado contrário tem no seu encalço Veloso. No seu caminho para a baliza, Aníbal tem Mozer… ”Diverte-te… Puto! “, lembra-se das palavras de Inácio. Enche o peito de coragem e vai enfrentar o gigante. Aumenta de velocidade e corre em direcção a Mozer que dá indicações a Ricardo Gomes para vigiar o Bi-bota. No relvado ainda se ouvem os ecos de “POR-TO! POR-TO”, mas os adeptos agora estão calados e seguem a jogada com expectativa.

Mozer na meia-lua da grande-área espera confiante… Aníbal simula o passe a Gomes mas coloca a bola pelo meio das pernas do gigante Brasileiro indo buscá-la ao outro lado. Ele está na grande-área… após o abate do gigante, apenas Silvino está entre a bola e as redes… entre a vitória e a derrota… entre a felicidade e a tristeza. Os adeptos levantam-se… “Vai puto!”, “Tu consegues!”… Aníbal tira os olhos da bola e controla a posição do guarda-redes, leva o pé direito atrás e chuta… não sabe se bem, mal ou mais ou menos… algo muito mais grandioso controla o destino da redondinha. Silvino estica-se para detê-la mas não vai lá… só as redes param o movimento da bola… É GOLO!!!! Aníbal corre sem destino… fecha os olhos… e faz sons imperceptíveis. Quando abre os olhos… sente o céu! Milhares e milhares de pessoas saltam, gritam e abraçam-se… o banco portista está eufórico enquanto Artur Jorge, sentado no banco vai tomando notas. Os colegas perseguem-no insistentemente enquanto ele só pensa nos adeptos… só pensa na felicidade deles… na sua felicidade porque é um deles!
Finalmente os colegas de equipa alcançam-no e atiram-no para o relvado…
- Oh Aníbal, acorda!!! Não tens aulas hoje?

12 Comments:

Blogger JRP said...

Magnífico, Aníbal. Valeu a pena!
Abraço,
Jorge Ricardo Pinto

8/2/07 3:42 da tarde  
Blogger O Situacionista said...

.....
O árbitro, depois de, inexplicavelmente, dar 10 minutos de desconto, apita para o final do jogo !!
É a loucura !! Total !!
E os adeptos gritam em uníssono: "ANÍBAL", "ANÍBAL", "ANÍBAL", "ANÍBAL"....

8/2/07 4:05 da tarde  
Blogger Jorge said...

Bonito texto... mas meter a bola entre as pernas do Mozer e nao levar uma charutada tinha mesmo de ser sonho.

8/2/07 5:48 da tarde  
Blogger ricciardi_7 said...

Excelente texto...

8/2/07 8:13 da tarde  
Blogger hugo said...

Muito bom mesmo!

8/2/07 10:37 da tarde  
Blogger nc said...

perfeito seria um golo de letra

9/2/07 11:38 da manhã  
Blogger paulofsky said...

Mas que golo de antologia.

O remake fê-lo o Bruno Moraes, não da espectacularidade mas na euforia.

9/2/07 1:06 da tarde  
Blogger lucho said...

Sim houve mesmo mt euforia com aquele golo do bruno moraes, mas este do aníbal está mt bem conseguido, um texto de imensa qualidade, parabéns.

9/2/07 3:50 da tarde  
Anonymous Paulo Ungaro said...

Brilhante, intenso e comovente ...

Um abraço

9/2/07 4:57 da tarde  
Blogger Nuno said...

Grande golo... até me arrepiei ao imaginar as cenas passadas no magnífico estádio das Antas!!

Imaginar ver o jogo em pé... jogos à chuva eram assim. Imaginar o estádio cheio de guarda-chuvas abertos... ainda podiam entrar!!

Imaginar o Artur Jorge sentado ao cantinho dos antigos bancos de suplentes que havia nas Antas.

Imaginar as redes que dividam as bancadas do "palco", cheias de faixas das claques e dos adeptos anónimos.

O fabuloso túnel!!

Pormenor importante... em que baliza foi o golo??

Mais uma vez... até me arrepiei carago!!

9/2/07 5:44 da tarde  
Blogger AZULEBRANCODIXIT said...

UM TEXTO FABULOSO PARA DELEITE DOS PORTISTAS INCONDICIONAIS!
ANÍBAL: SIMBOLIZASTE MUITO BEM O SONHO DA NOSSA ADOLESCÊNCIA,MAS TAMBÉM O SONHO DAQUELES QUE TODOS OS DIAS PENSAM NO SEU CLUBE E NO QUE DESEJAM UM PRESENTE/FUTURO MAIS E SÓ AZULEBRANCO!
BEM HAJAS GRANDE DRAGÃO!
GRANDE ABRAÇO !
DO DRAGÃO E SÓCIO FêCÊPÊ Nº 7016
AZULEBRANCO!

9/2/07 8:21 da tarde  
Blogger AZUL DRAGÃO said...

LINDO ! LINDO ! LINDO !

9/2/07 8:40 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home