quarta-feira, setembro 19, 2007

Soube a pouco...


Image hosted by Photobucket.com1-1Image hosted by Photobucket.com


Em primeiro lugar é preciso realçar que jogamos contra o Vice-Campeão da Europa e uma equipa que se reforçou barbaramente para esta época. É preciso salientar que o FêCêPê anulou o Liverpool no meio-campo e nas suas saídas pelas alas através de Peanant e Babel. Torres e Kuyt andaram sempre muito longe um do outro e dos restantes companheiros de equipa... isto porque Gerrard tinha que se preocupar mais em defender do que em apoiar o seus dois colegas mais avançados. Este "encravanço" da máquina Inglesa deve-se a um grande jogo dos três homens do meio-campo do Porto e dos seus laterais. É verdade que Meireles teve dois passes comprometedores, mas foi um gigante na garra, capacidade de circulação de bola e rápida mudança de flanco que se exigia para surpreender o Liverpool. Paulo Assunção foi uma autêntica carraça e Lucho tratou de pôr ordem na orquestra. Uma primeira-parte de bom nível do Porto, com Tarik a surpreender os Ingleses e a levar Rafa Benitez a ter que consultar as suas notas para saber quem era aquele gajo. O golo cedo veio dar consequência a uma entrada diabólica dos Dragões que empurraram os vermelhos para o seu reduto. Pensava-se que o mais difícil estava feito mas o jogo aéreo dos Ingleses derrubou o até então o inviolável Nuno. João Paulo e Bruno Alves não ficam bem na fotografia, ambos perdem os lances aéreos para Hiipya e Kuyt... mas durante a maior parte do jogo, a verdade é que eles chegaram e sobraram para Torres e Kuyt.
Na segunda-parte, sem alterações o FêCêPê parecia querer voltar a empurrar os Ingleses quando Peanant foi expulso. Benitez faz recuar a sua equipa, passando a jogar com uma linha de 4 homens bem definida no meio-campo e apenas Torres na frente. Os espaços diminuíam... Jesualdo precisava de fazer algo. Não tinha Leandro Lima, quanto a mim a escolha ideal para o jogo de penetração que era necessário fazer. Tirou então Tarik e colocou Farias... nada a dizer; e tirou Meireles metendo em campo Mariano... uma péssima opção. Poder-se-á argumentar que falar agora é fácil... e é verdade, mas quem esteve comigo no estádio poderá comprovar que logo na altura eu disse que era uma estupidez tirar o Meireles para colocar o Mariano. É verdade que Jesualdo precisava de ser mais audaz mas Mariano não convence ninguém... e as soluções atacantes disponíveis no banco eram escassas. Fez recuar Lucho, tirando do contacto com os homens mais avançados... e o Porto desapareceu. A partir dessa dupla substituição ficou claro que só por um milagre o F.C.Porto voltaria a marcar...

Melhor em Campo: Tarik Sektiuoi - Pelo que correu, pelo que desequilibrou, pela raça, pela determinação com que encarou cada lance... mas também pela enorme surpresa que estas exibições estão a despoletar nos adeptos portistas. Tarik por vezes é trapalhão mas a forma disciplinada, simples e objectiva do seu jogo, tornou-o bastante mais produtivo que Quaresma, que neste jogo foi a antítese de Tarik: Elegante mas complicativo e nada objectivo.

18 Comments:

Anonymous Anónimo said...

"Mariano não convence ninguém".
Mas afinal não tinha "atrás dele um curriculum que fala por si" como dizia o jrp, acusando quem desde o início via que, de facto, o mariano não convence ninguém?
E o mal é que não é só ele que não convence. Sempre há os que esperam por "mais minutos" para concluir o óbvio, mas bem podem esperar sentados...

19/9/07 10:56 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Mariano, Farias, Stepanov e Leandro têm que ser titulares e não jogar apenas escassos minutos.
Como se poderá dizer que Bolati não vale nada se no seu lugar joga uma nulidade como Raul Meireles? A culpa é do Bolati? Ou será do burro do treinador.

19/9/07 12:14 da tarde  
Blogger Aníbal Letra said...

"Como se poderá dizer que Bolati não vale nada se no seu lugar joga uma nulidade como Raul Meireles? A culpa é do Bolati? Ou será do burro do treinador."

Caro anónimo... dizer que o Bollati joga no lugar Meireles é objectivamente, sem ofensa, não perceber puto de futebol. Dizer que o Meireles é uma nulidade... é outra estupidez, sem ofensa novamente, neste caso mais subjectiva e partilhada por muitos outros portistas, alguns deles ditos ilustres, como é o caso de Rui Moreira, que a cada "pograma" que passa mais me convence que de futebol o homem percebe muito mas mesmo muito pouco. Mas prontos... pelo menos não é tão bacoco como o lagarto das sondagens.
Não vou perder tempo a explicar o Raul Meireles... quem quiser fazer um pequeno esforço a ver futebol e não se limitar a gritar golo e a criticar o árbitro e o treinador, consegue ver muito além do Meireles "nulidade". Quem não quiser... paciência.

19/9/07 12:37 da tarde  
Blogger Aníbal Letra said...

“We simply could not pass the ball to each other. We could not string three or four passes together but we could have sneaked a win at the end with that chance. Jermaine was unlucky. He just threw himself into the tackle too much. At least we got a draw in what is going to be the toughest game we are going to face in our group. (...) We’ve got to be pleased with the draw because it was very difficult for us (...) “Porto is a really strong team and at least we didn’t lose.”
KUIT

19/9/07 12:55 da tarde  
Anonymous portista said...

Desculpem-me mas sou forçado a concordar com o «anónimo». Em equipa minha, Meireles não jogava. Ponto final.
Quanto ao jogo de ontem, o que mais me irritou, ao longo da segunda parte foram duas situações: Primeira, a quantidade de bolas perdidas em passes directos ao adversário. Eles não nos tiravam a bola, nós entregavamo-la! Segundo, a quantidade obscena de cantos, livres e lançamentos laterais que o Porto desperdiça. Será que quem está no banco não se apercebe?
E porque só o Quaresma é que pode marcar cantos e livres?
Será que mais ninguém, na equipa sabe fazer isso? É que para mandar mais de 50% das bolas para a bancada mais valia estarem quietinhos...
Quanto à análise, para mim, o melhor em campo foi o Fucile. Que grande jogador, que garra, empenho e raça!

19/9/07 2:41 da tarde  
Blogger Cavalinho Branco said...

Tb concordo com o Portista...
No dragão fiquei com a impressão que o Fucile fez um enorme Jogo...
Lamento que o Coach não tenha deixado o Bosingwa fazer os raids dele...
Em relação ao Licha... Canso-me, aliás fico sem respiração, só de o ver correr...
Em relação ao Tarik... de vez em quando desaparecia do jogo...
Além disso... Alguém tem que dizer ao Coach que Não vale a pena aliviar a bola da defesa directamente para o ataque, enquanto o licha estiver sozinho...
Era uma luta desigual, Licha contra 3 ou 4 defesas.. Se ao menos ainda recuperassemos a 2ª bola... Mas nunca aconteceu...
Para mim... singela opinião, homens do jogo, Fucile e Licha!!!

19/9/07 3:33 da tarde  
Blogger Cavalinho Branco said...

Um aparte:
Temos um relvado no Dragão que é de meter inveja a qualquer clube mundial!!!

19/9/07 3:36 da tarde  
Blogger lpscampos said...

Apesar de termos um relvado fantástico, o que constato é que temos uma equipa mediana (para Liga dos Campeões) e um treinador mau, muito mau. Ontem foi a prova mais óbvia de que o Jesualdo não vale nada como treinador. Embora meter o Farías faça sentido para renovar o ataque, a substituição do Mariano González pelo Raúl Meireles foi catastrófica. Igual só o Aloísio a defesa lateral contra o Barcelona. Numa fase do jogo em que estamos a jogar contra 10 e o Liverpool está remetido ao seu meio-campo, não se tira um organizador de jogo para meter um jogador que nada consegue mostrar de cada vez que joga. Quanto muito tirava o Paulo Assunção que já nao era necessário ou um defesa central, permitindo ao Porto manter um caudal ofensivo. Acredito que o Tarik já nem conseguisse dar um passo, mas é bem mais útil roto que o Mariano fresco. O jogo do Porto a seguir às substituições emperrou, precisamente quando devia ter acelarado. Má noção estratégica de um treinador que até agora tem vindo a ter sucesso graças à equipa formada por Adriaanse.

19/9/07 5:46 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Aníbal, não me ofendes nada ao dares a tua opinião. Reconheço que o Meireles é daqueles jogadores (Jorginho e Postiga), que nunca achei com categoria para integrarem o onze titular. Quando muito suplentes utilizados de quando em vez. Porquê? Em relação ao Meireles sempre achei que fosse para consumo interno. Futebol lento, com mais que um toque para dominar, depois levantar a cabeça para decidir o que fazer e entretanto tem um adversário em cima para lhe roubar a bola. A defender não tem capacidade nenhuma de recuperação OU SEJA ATÉ O RUI COSTA PASSA POR ELE. Qualidades: bom remate, colocação da bola a longa distância e nas bolas divididas entra para ganhar o lance. Em minha opinião quando joga com o Paulo Assunção, anulam-se práticamente. Nem o PA é o jogador a que nos habituou e Meireles não ultrapassa a mediania.

19/9/07 6:30 da tarde  
Blogger sonicmale69 said...

Olha, o Leandro Lima não foi convocado porque tinha dito que só conhecia os jogadores do Liverpool através do "videogame". O Prof. ficou chateado com o comentário do miudo, e muito estupidamente decidiu deixar este jovem de 18 anos fora da partida. Didáctico, nao?
Olha, e o Ibson dava jeito?
Este Prof. da treta não vai a lado nenhum na Liga dos Campeoes.

20/9/07 1:50 da manhã  
Blogger sonicmale69 said...

Infelizmente, nao tenho nehuma fe' neste treinador. Concordo com os comentaristas deste post. O Assuncao e o Meireles anulam-se mutuamente. O meio-campo devia ser Lucho-Assuncao- Leandro Lima. O puto tem vontade de jogar e correr!

20/9/07 1:54 da manhã  
Blogger JRP said...

Até estive para ficar calado, mas sou obrigado a participar porque alguém, cujo nome continuo a não conhecer, me referiu. Típico. Foi só esperar (e ainda foi preciso esperar um pouco…), pelo primeiro tropeção para lembrar o que escrevi, depois de na altura ter ficado sem argumentos. Agradeço-lhe a deferência. Gosto que as minhas opiniões fiquem assim marcadas em quem me lê.

Mas, sinceramente, não tenho muita pachorra para responder directamente ao anónimo, até porque o assunto ficou, no meu entender, esgotado na tal caixa de comentários. E apesar do que se tem escrito sobre o Mariano, e têm sido vários os críticos, é certo, eu mantenho que o jogador ainda não teve tempo de mostrar verdadeiramente o que vale.

Ontem, o problema das substituições não foi propriamente os jogadores que entraram, mas todo um sistema que foi implementado no seu seguimento.
Quem prestou alguma atenção, para lá da tensão do jogo, percebeu o desentendimento que se seguiu em campo nos minutos seguintes a essa dupla substituição, entre o banco do Porto e os que jogavam lá dentro. Jesualdo gesticulava desesperado dando indicações perante alguma desorientação dos jogadores.

Mas ainda antes das questões tácticas, não sei se repararam mas os apanha-bolas desapareceram pós-expulsão. Ou seja, alguém deu ordens para eles deixarem de ser expeditos na entrega da bola. Aquilo mostrou logo o que Jesualdo queria...

Mas mesmo para segurar o empate as coisas não funcionaram bem, isto porque Benitez é muitíssimo melhor que Jesualdo e percebeu que poderia continuar a defender na perfeição e, ainda assim, mesmo com dez, continuar a tentar o golo. A sua reacção às substituições de Jesualdo, e ao facto de perder um jogador, foram demolidoras e decidiram o curso do jogo, até porque nem Jesualdo teve arte para o superar, nem ele verdadeiramente almejava a tanto.

Quando Mariano entra para jogar a extremo direito, Benitez manteve, mesmo em inferioridade numérica, sempre dois jogadores a fecharem as alas e um para as sobras. No meio, Lucho foi obrigado a recuar para compensar a saída de Meireles, passando o incansável Lisandro a fazer um lugar próximo do 10, mas muito mais à frente do que Lucho fazia. Faltava por isso ali um homem ao Porto no meio (entre Lucho e Lisandro-Farias), que até jogava com mais um. Alguém que pudesse puxar para o meio um dos dois que caíam na direita (e, diga-se, o mesmo aconteceu no lado contrário... o que fez Quaresma durante todo o jogo?), permitindo maior facilidade de penetração para Mariano e possibilidade de com esse pivot fazer triangulações.
Jesualdo, atrapalhado com a reacção de Benitez à adversidade, manda então Bosingwa fazer toda a ala direita e desloca Mariano para o meio, tentando que este fizesse esse papel. Uma vez que o Liverpool tinha abdicado de um dos homens do ataque, Bosingwa poderia então subir, deixando o quarteto defensivo que passava a funcionar a maior parte do tempo com apenas três. Só que nem Mariano é centrocampista, nem o Bosingwa pôde ser o do costume, das subidas imparáveis até à linha de fundo. Não sei se o cansaço da selecção, se a estafa de jogar contra uma equipa da categoria do nosso adversário, a verdade é que quem esteve atento percebeu que Bosingwa não podia fazer a ala toda nos últimos 20 minutos, manifestando com assiduidade o quão cansado estava e fazendo uma série de inutilidades, desde uns cruzamentos para trás da baliza até uns raides que acabaram sempre mal.
Entretanto, Mariano teve algumas dificuldades em adaptar-se à nova posição, mas depois de os primeiros 10 minutos em campo terem corrido manifestamente mal, parece-me (e perdoem-me a blasfémia), foi dos que terminou melhor o jogo.

Ou eu muito me engano, ou, como já escrevi antes, o Mariano acabará como Ibson no ano passado. Entrava sempre nos últimos 10, 20 minutos, em situações em que ou o jogo está resolvido e a equipa anda para ali a empastelar não proporcionando a quem entra bons momentos, ou entra para situações como a de ontem, em que a desinspiração é geral, mas no fim acaba sempre como culpado. Tal como no ano passado reclamei para o Ibson, dêem-lhe (e não só a ele) oportunidades para fazer alguns jogos a titular e a jogar na sua posição.

Aliás, lembram-se da primeira parte no Bessa, no amigável da pré-época contra o Boavista? Que bem que o Mariano jogou e até assistiu para o Postiga marcar de cabeça...

Ou então, lembrem-se de Tarik, que também não prestava para nada no ano passado e no início da época, mas teve direito a vários jogos a titular consecutivamente, saindo aos 45 minutos sempre em alta. Até nos faz acreditar que um jogador nos trinta, que tem 5 ou 6 internacionalizações pelo colossal Marrocos e que fez a sua carreira em clubes de segunda e terceira linha da Holanda, entre titular e banco, será decisivo num clube como o Porto...

No resto, mais duas ou três ideias:

1 - Paulo Assunção foi outra vez magistral. Há alguns jogadores que, por mais que façam, estão sempre na linha de fogo mal cometam um erro. Outros que, sem que se perceba porquê, saem muitas vezes incólumes.

a) Paulo Assunção pertence ao primeiro grupo. O tipo faz jogos atrás de jogos, com exibições fenomenais, mas há sempre por aí alguns iluminados que estão sempre mortinhos por tirá-lo da equipa.

b) O João Paulo pertence ao segundo grupo. O que se diria há um ano atrás se aquele falhanço fosse do Bruno Alves?

2 - Fucile, Lisandro e Lucho fizeram um fantástico jogo de entrega, que devia ser exemplo para os restantes do plantel, ainda que nem sempre tecnicamente tenham estado impecáveis.

3 - Farias não se viu... mas quantos cruzamentos decentes recebeu? Para os que reclamam o regresso de Adriano, recordo que, para já, Adriano tem mais minutos em jogos oficiais que Farias e a mesma produtividade.

4 - Na minha opinião, Meireles falha demasiados passes para ser um indiscutível. É um jogador com ritmo e entrega, mas não consigo aceitar que um jogador naquela posição falhe tantos passes, jogo após jogo. Aqui volto à questão inicial... a titularidade e regularidade são fundamentais para um jogador. Este joga sempre e atingiu este patamar. O que não fariam outros que a também tivessem?

20/9/07 3:23 da manhã  
Anonymous dragão_de_lisboa said...

Depois de ler isto chego à conclusão que não vimos o mesmo jogo. O Raul Meireles ontem foi o melhor em campo. Se jogou assim tão mal, então porque é que o FCP acabou quando ele saiu? Algum génio me explica isto? Aliás, o mesmo já tinha acontecido contra o Sporting e o Jesualdo, como é burro, só aprende à 4ª ou à 5ª. Passes todos falham, agora o ritmo que o Meireles mete no jogo e os passes milimétricos de 30 metros a mudar o flanco, não saem por acaso.

20/9/07 3:47 da manhã  
Blogger eduardo said...

(respiro fundo)...

Ok... Raul Meireles não vale nada??? bem... é das coisas mais inacreditáveis que tenho ouvido mas.. pronto... opiniões há muitas.

Quanto ao jogo, dou a mão a todos os que elogiam o Fucile... como alguém dizia onde vi o jogo "ali está um Fusível que não queima"... um miudo comprado na loja dos 300 que é uma categoria.

O Porto entrou como há muito não via entrar numa partida, os ingleses não fizeram nada. Torres e Gerrard, os monstros maus, nada fizeram.
O resto do jogo foi o que já disseram... muito jogo até à saída do Meireles..

Pode ser que as aquisições açam um bom jogo contra o Fátima.

Mourinho... no Porto novamente??? :) isso é que era :)

20/9/07 8:53 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Deixa ver se eu percebo.
Afinal parece que o mal é do treinador, do Meireles, do João Paulo! Mas quanto a estes há alguma novidade ou algum motivo para surpresa? Não estavam já aqui o ano passado? Por acaso qualquer deles está a jogar pior ou a fazer mais asneiras?
Ou será que da equipa do ano passado saíram dois craques e gastaram-se 15 milhões a comprar anedotas, jogadores para emprestar e suplentes piores que os que cá estavam? A excepção que merece o benefício da dúvida é o Leandro Lima (um milhão e meio) que precisa de rodar, mas se pode fazer.
Os outros "reforços" (chamar reforços a Edgars, Aguiars, Linos, Kaz, Marianos, Farias, só pode ser piada...)ficam para os iluminados que na pré-época viam génios onde só havia mediocridade e agora continuam à espera de mais minutos e a debitar aqui testamentos para disfarçar a estupidez.

20/9/07 9:27 da manhã  
Blogger JRP said...

Anónimo,

Quando o seu recurso argumentativo é chamar-me estúpido, dou o caso por encerrado.

Eduardo e Dragão de Lisboa,

Julgo que não se estão a referir a mim no que se refere a Meireles. Eu não sou um fã de Meireles, mas também não sou dos que acham que ele não vale nada ou que é uma nulidade. Já o escrevi e repito, é um jogador importante, no ritmo e na entrega, e sobretudo quando o adversário parte para cima de nós, uma vez que sai bem para o contra ataque e transporta bem a bola. Acho apenas que a sua titularidade indiscutível, jogo após jogo, que dura desde o início do ano passado é discutível, uma vez que temos e tivemos outras opções no passado que nunca tiveram essa oportunidade, e, como falha muitos passes e não tem capacidade para rasgar quando o adversário se fecha muito atrás (o que acontece com regularidade no dragão e até estava acontecer com o Liverpool), a sua utilização é por vezes excessiva.

Desculpem, mas essa de dizer que o jogo morreu quando o meireles saiu parece demagogia. O tarik também saiu na mesma altura por isso, pela mesma lógica, também posso escrever:
"Se jogou assim tão mal, então porque é que o FCP acabou quando ele saiu?"
ou
" resto do jogo foi o que já disseram... muito jogo até à saída do Tarik.."
As substituições não se resumem a quem entra e quem sai, mas a todo o sistema de jogo.
E aí, Jesualdo levou uma tareia de Benitez.

20/9/07 12:58 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Estou contigo, jrp. Meireles no plantel, mas não a titular. Se se dispensa um Ibson que até tinha dinâmica e era capaz de ir para o um para um, não percebo como se mantém o Meireles a titular. Mas é apenas a minha opinião.

20/9/07 8:15 da tarde  
Blogger Daniel said...

Só aqui digo uma coisa: o Raul Meireles é espectacular! E estou como o Aníbal... só quem vê o futebol de uma forma muito redutora, não se apercebe da enorme importância que tem este jogador dentro de campo. Tacticamente é perfeito, é rápido, é óptimo nas transições. Para além disso joga simples, é humilde e já transporta a Nossa mística. Talvez um dos erros dele as vezes seja querer jogar demasiado rápido, sempre em alta rotação e isso lhe tire algum discernimento em determinados momentos do jogo. FORÇA PORTO!

22/9/07 11:49 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home