quarta-feira, outubro 01, 2008

O Porto somos todos nós!

Ontem... falar de ontem é algo que dói. Preferia esquecer e voltar a lembranças mais felizes, mas existem dores que temos de relembrar para que tão cedo não passemos por elas novamente.
Ontem houveram duas partes distintas:
Na primeira vimos uma equipa do Porto "borradinha" de medo.
Encostada à sua grande área, deu 3/4 do campo ao Arsenal e convidou os Londrinos para vir para cima. Os jogadores do FêCêPê tinham medo de ter a bola e sair em jogo apoiado, optando sistematicamente por pontapé para a frente e confiando que um dia os Deuses estariam com eles. Acabamos por dispor de 2 excelentes oportunidades para marcar ainda com o resultado em branco... uma numa boa jogada de contra-ataque e outra num canto. À equipa da primeira faltou, e passando ostensivamente por cima de pormenores tácticos evidentes, confiança e crença nas suas capacidades. Alguns jogadores amedrontaram-se com o nome dos adversários e a bola queimava nos seus pés. Os dois golos dos Londrinos, em duas facilidades(que não foram as únicas) concedidas pela defesa, são o espelho da "tremideira" generalizada que atravessou a equipa quase sem excepção.
Na 2ª parte tivemos um outro Porto. Infelizmente um muito pior! Um Porto que eu não via há muito tempo e tenho que puxar pela memória para me lembrar da última vez que um conjunto de jogadores com a camisola do meu clube foi capaz de comprometer tanto num jogo apenas. Se calhar nunca tinha vista tal... Mesmo quando levamos 5 do PSV, ou 4 do Manchester, a equipa não desmoronou como aconteceu ontem. O Porto da segunda-parte preocupou-me muito! Há jogadores que ontem fizeram 90 minutos verdadeiramente miseráveis e nem vou mencionar os seus nomes, pois dá-me voltas ao estômago. Do jogo de ontem apenas se salvou Tomás Costa...

A culpa é do treinador? É óbvio que tem de ser do treinador e ele tem que assumir as suas responsabilidades publicamente. Não me peçam é para entrar numa onda de "afundanço" do treinador no início de uma época... porque está mais do que comprovado que isso traz mais prejuízos que benefícios.

O Porto somos todos nós e não apenas a equipa que anda lá em baixo. É nestes momentos difíceis que os jogadores precisam de sentir que os adeptos são fieis e acreditam neles. Em Alvalade a grande dificuldade será ultrapassar este sentimento de falta de confiança e de crença nas capacidades próprias... capacidades que estes jogadores(pelo menos alguns) já demonstraram ter e que vão voltar a aparecer com uma boa orientação e liderança por parte de quem compete essas tarefas, mas também com paciência e carinho da parte de quem sente o clube como ninguém... os adeptos.

Força Porto!!! Sempre contigo... Vamos a eles!

5 Comments:

Blogger Pedro Reis said...

aníbal,
sempre presente nas horas dificeis!
eu percebo a tua questão em relação ao treinador (que não é o único culpado - hello SAD? hello Presidente?) mas a verdade é que o Jesualdo não vai assumir publicamente, nem agora nem nunca, as suas responsabilidades. a verdade é que nunca o fez e ontem tinha a obrigação de o ter feito. pior do que a forma como conduziu a equipa foram as suas declarações no final do jogo. tenho por ele respeito enquanto profissional, mas a perfeita noção de que não serve neste momento para o FCP. por muito que custe mudar um treinador no início da época, acho que daqui para a frente se ele continuar vamos ter mais do mesmo e com uma regularidade maior.

uma última nota para os adeptos do FCP (em jeito de aviso para quem dirige o clube):

peço que a bem da vossa (nossa) sanidade mental, não vão ao site do nosso clube ler a crónica do jogo, porque parece que quem escreveu aquilo ainda está a gozar mais com os adeptos do FCP, do que ontem, o treinador e os jogadores do Arsenal juntos.
Vou-me conter para não dizer umas asneiradas grossas... PQP FDP

1/10/08 5:38 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Caro Pedro Reis

face aos seus últimos paragrafos, não posso deixar de concordar mais consigo.

2/10/08 9:02 da manhã  
Blogger AZULEBRANCODIXIT said...

Isto que vou contar foi-me dito por alguém que está «lá dentro», ou seja na àres técnica:
Carlos Azenha quis sair no início da época passada, mas o Presidente convenceu-o a ficar. Esta época nem o Presidente conseguiu que ele ficasse. Porquê? - porque não concordava com os métodos e opções de Jesualdo. Aliás este tudo fez para encobrir e não dar qualquer espaço de protagonismo ao Carlos Azenha, do qual sempre teve ciúmes, a partir do momento que se apercebeu que este era mais competente e actualizado do que ele próprio. Não é á toa que Carlos Azenha nunca apareceu numa conferência de imprensa.
Os progressos tácticos e de posicionamento do Paulo Assunção a Azenha se deve, entre outras coisas.

Jesualdo não se cansa de inventar, principalmente quanto maior o grau de dificuldade. Meter Lucho na 2º parte, para ganhar ritmo sem pressão do resultado(disse ele). Isto é de bradar aos Céus!
Tinha de o meter de início!!
E o Fucile? - nem no banco - porquê? - quando deveria ser titular indicutível!
No ano passado levamos 4-1 do Liverpool, já foi vergonhoso, mas desta vez beliscou e de que maneira o prestígio europeu que tanto nos custou a granjear.
é certo que o Arsenal é poderosíssimo este ano, muito mais que há dois anos quando lá perdemos por 2-0, e que tem um orçamento muito superior ao nosso e que a nossa equipe o que ganhou em juventude perdeu em traquejo, é certo. Mas nem assim pode justificar a atitude covarde do treinador que se estendeu á equipe, porque esta é sempre o reflexo do treinador.
Apesar de tudo isto que escrevo e de nunca ter gostado do j.Ferreira, vou continuar a querer que ele fique até ao fim da época, e seja tricampeão do segundo nosso tetracampeonato.

Saudações Portistas

3/10/08 12:58 da manhã  
Anonymous Michael Knight said...

O diz que disse vale sempre o que vale. Daí comento uma coisa:
"Fucile tem que ser titular"
Por obra de quem? É fraco como os outros, nao acrescenta nada.

3/10/08 8:51 da tarde  
Blogger AZULEBRANCODIXIT said...

Antes de mais gostaria de dizer que concordo com o seu Post.
Quanto ao facto do Fucile não ser nenhum craque, também concordo, mas parece-me que de momento reúne melhores condições para ser o nosso lateral esquerdo titular.
Se tivesse no seu lugar, também rotularia aquilo que eu disse do Carlos Azenha, mas acredite que é de fonte fidedigna.
Vamos dar tempo ao tempo...

Saudções portistas!

3/10/08 11:17 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home